Há exatamente 100 anos,nascia uma das lendas do automobilismo mundial e o pioneiro em ser multicampeão de alguma coisa,o piloto argentino Juan Manuel Fangio.Hoje faço minha humilde homenagem falando sobre talvez a melhor corrida de Formula 1 da história,o Grande Prêmio da Alemanha de 1957.

Juan Manuel Fangio iria largar na frente com o tanque enchido até a metade.Em segundo iria largar Mike Hawthorn e em terceiro iria largar Jean Behra.

Eram 22 voltas graças aos 28 km de pista por volta,então iria ser uma corrida looooooonga,mas isso não abalou o argentino Fangio da Maserati de número #1.

Largam os carros e Fangio abre mastodônticos 31 segundos para o segundo colocado que era o piloto do Reino Unido,Peter Collins#7.

O problema é que Fangio teve fazer a sua parada nos pits para reabastecer o seu Maserati 250F e acabou voltando enormes,gigantescos,mastodônticos,golianos e incríveis 50 segundos para Hawthorn#8 e Collins#7.Mas é aí que começa o show do “Maestro” .Na volta dos pits ele vem acelerando como o Coiote correndo atrás do Papa-Léguas,no caso o Papa-Léguas era o lugar mais alto do pódio.

Fangio vinha chegando cada vez mais rápido nos líderes e em apenas 10 voltas a diferança tinha sido pulverizada.O segredo por trás daquela mágica era fazer as curvas com uma marcha a mais do que o recomendável.Pra ver como a mágica estava funcionando,Fangio chegou a tirar 20 segundos em apenas uma mísera volta.

E na vigésima segunda volta,ou seja a last lap,Fangio passou facilmente Collins e depois Hawthorn foi a vítima.E o Papa-Léguas foi capturado e devorado vorazmente.Fangio havia vencido com uma diferença de 3 segundos para Mike Hawthorn#8 e 35 segundos para Peter Collins#7.

Essa seria a sua última vitória antes de deixar a Formula 1.Há quem diga que essa foi a melhor atuação individual de um piloto na Formula 1.

Obrigado ao blog Bandeira Verde e ao site de pesquisas Wikipedia,a enciclopedia livre pelas informações dessa corridas fantástica.

 

Anúncios