O bólido da temporada de 2006 da Toyota não alcançou todo o sucesso esperado pelo time nipônico. Isto porque no ano anterior, na temporada de 2005, o time fizera uma de suas melhores campanhas,e a expectativa para 2006 era grande. Porém tal desempenho não se repetiu, e a Toyota realmente era vista como uma decepção.

O TF106, foi construído inteiramente em cima do novo regulamento, que previa a mudança dos motores, e isto de fato afetava todo o design e construção do bólido. Dentre as mudanças, a frente do carro continuou parecida com a de seu antecessor, enquanto a traseira, como na maioria dos carros, passou por severas mudanças. Outros destaques aerodinâmicos eram as entradas de ar, visivelmente menores em relação ao passado, mais uma vez por causa dos novos motores V8, que necessitavam de menos refrigeração, e assim sendo, os radiadores também eram menores.

Com o novo motor sendo 10 centímetros mais curto que o V10, a Toyota chegou a decisão de não modificar a estrutura na qual ele ficava, assim como o tanque de combustível. O novo motor mostrava um nível maior de vibração, e a maior diferença em relação aos V10, além da potência, era a curva de torque gerada pelo propulsor. Já na caixa de marchas era basicamente a mesma do ano anterior, porém com melhorias o time conseguiu diminuir o peso geral do componente. O monocoque fora aumentado, e os canos de descarga forma modificados também.

Vale lembrar que a Toyota acabara um longo acordo com a francesa Michelin,e agora corria com os pneus da Bridgstone, e isto de fato muda todo o comportamento do carro, e a forma como se ajusta o setup, uma vez que a Toyota estava “acostumada” com as configurações e reações dos pneus Michelin. Os nipônicos tiveram de aprender a lidar com os novos pneus, e como isso influencia o desempenho geral do carro. Porém  o time contou com diversos dados fornecidos pela Bridgestone, e conseguiram fazer um bom trabalho em termos de pneus.

TF106B

Após as seis primeiras corridas do campeonato, e sem conseguir resultados expressivos com o novo TF106, a Toyota preparou updates para o modelo, com a intenção de recuperar pontos, e sua reputação. As mudanças incluíam o tanque de combustível, e um novo pacote aerodinâmico, além de uma suspensão dianteira revisada, mas o TF106B continha diversas características de seu antecessor. A nova suspensão dianteira possuía uma nova geometria, e um ângulo diferente do sistema push rod, o que na teoria melhorava o desempenho do modelo.

Entretanto, a Toyota encontrou o caminho dos pontos novamente, ainda que com um carro bem mais fraco em desempenho que seu antecessor. O TF106 estava frequentemente nos pontos, mas a equipe não conseguiu uma grande regularidade com o modelo. O carro batalhava constantemente com o BMW Sauber e outros carros das chamadas “equipes medianas”, e terminou a temporada como um fracasso se comparado ao ano de 2005, com magros 35, conseguindo somente a 6° posição nos Construtores.

 

Dados:

Equipe: Toyota

Designers: Mike Gascoyne
—————————
Dados técnicos:

Chassis: Monocoque moldado em fibra de carbono

Suspensão: Independente, sistemas push rod e trackrod, barra de torção, amortecedores, feita de fibra de carbono e outros componentes (suspensões dianteira e traseira)

Motor: Toyota RVX-06, V8, 2.4 litros, montado longitudinalmente, aspirado naturalmente, 90° de inclinação, aproximadamente 740 hp, e com 19.000 RPM de máxima aproximadamente

Transmissão: Toyota/Xtrac de 7 velocidades e uma marcha reversa (marcha ré), sequencial, semi automática

Combustível: Esso, lubrificantes Esso

Pneus: Bridgestone, com rodas BBS forjadas em magnésio

Distância entre-eixos: 3.090 mm

Comprimento total: 4.530 mm

Altura total: 950 mm

Largura total: 1.800 mm

Peso total: 600 kg, incluindo piloto e fluídos
——————————————–
Pilotos:
7 Ralf Schumacher

8 Jarno Trulli
——————-
Pontos: 36

Corridas: 18

Vitórias: 0

Poles: 0

Voltas mais rápidas: 0

Posição no Mundial de Construtores: 6° lugar

Anúncios