Para ler a primeira parte,clique ali -> Equipes parcas da F1:Penske Racing-Parte 1.

Em 1976,a Penske prepara um novo carro,o Penske PC3.O PC3 foi utilizado nas seis primeiras etapas e teve resultados péssimos,mas para consolar,Watson marca dois pontos na África do Sul.A Penske prepara um novo carro,o PC4.Os resultados melhoraram bastante com Watson conseguindo dois terceiros lugares na França e na terra da Rainha e inclusive uma vitória na Áustria.

Watson deu show na Áustria

Naquele domingo,Watson lutou contra Ronnie Peterson,Gunnar Nilsson,Jody Scheckter e James Hunt para conseguir a primeira e única vitória da Penske na F1.Ironicamente,um ano antes,Mark Donohue morria na Áustria com um Penske.Watson ainda marcava mais um ponto para a Penske nos EUA.Na Holanda,o Penske PC3 foi alugado para um piloto holandês chamado Boy Hayje.Hayje corre pela equipe F&S Properties.Hayje abandona a corrida por conta de um tal de Halfshaft.

O ótimo Penske PC4

No final da temporada,a Penske fica em quinto no campeonato com 20 pontos.Em 1976,o chefe de equipe Heinz Hofer morre num acidente de trânsito,Hofer era sócio da equipe Penske.Mesmo com a ótima temporada de 1976,Roger Penske decide encerrar sua carreira na F1 por motivos finaceiros,já que seu sócio tinha morrido e seu patrocinador,Citibank,desistiu de apoiar a equipe na Europa.

O Penske PC4 é vendido para a ATS correr em 1977.Os pilotos seriam Jean-Pierre Jarier,Hans Binder e Hans Heyer que não fizeram boas corridas.Jarier ainda marca um pontinho nos EUA.No final da temporada,a ATS decide fazer seu próprio carro e o PC4 é vendido para a equipe de Can-Am e USAC-Indycar,a Interscope Racing.O piloto seria Danny Ongais.Ongais corre duas etapas e consegue um sétimo lugar como melhor resultado.

O PC4 da ATS…

e o PC4 da Interscope

A Penske acabou voltando para a F1 nos anos 80 fabricando componentes para a McLaren.

Anúncios