A temporada 2011 da F1 foi marcada pelo amplo e inconteste domínio de Sebastian Vettel e da Red Bull. O alemão sobrou em todo o ano e faturou o título com quatro rodadas de antecedência, tornandos-se o mais jovem bicampeçao da história da categoria.

As estatísticas por si só não podem refletir integralmente o que foi um ano repleto de disputas, ocorrências, erros, acertos, conflitos e demais nuances subjetivas, mas ajudam a elucidar o quão soberano foi Vettel perante os adversários.

Vitórias

Em 2011, Vettel ficou muito perto de se tornar o maior vencedor da F1 em um mesmo ano. Foram 11 vitórias, algo superado apenas por Michael Schumacher. O alemão mais velho segue com seus 13 triundos de 2004 intocáveis.

A seguir, veio a dupla da McLaren, com o vice-campeão Jenson Button e Lewis Hamiltons empatados com três cada. Fernando Alonso levou um troféu de vencedor a mais para casa na Inglaterra, enquanto Mark Webber faturou somente a etapa do Brasil.

Sebastian Vettel – 11 vitórias (Australia, Malásia, Turquia, Espanha, Mônaco, Valência, Bélgica, Itália, Cingapura, Coréia do Sul e Índia)

Jenson Button – 3 vitórias (Canadá, Hungria e Japão)

Lewis Hamilton – 3 vitórias (China, Alemanha e Emirados Arabes Unidos)

Fernando Alonso – 1 vitória (Inglaterra)

Mark Webber – 1 vitória (Brasil)

Poles

Largar da posição de honra do grid também foi rotina para Vettel nesta temporada. Em Interlagos, ele quebrou o recorde absoluto de poles em um mesmo ano, ao marcar pela 15ª vez o tempo mais rápido da classificação.

Por pouco, a Red Bull não impôs uma histórica e inédita hegemonia de poles, já que Mark Webber foi o melhor em três das quatro classificações restantes. A campanha 100% foi evitada somente por Lewis Hamilton e sua solitária pole na Coreia do Sul. Ainda assim, a equipe anglo-austríaca pulou para o topo da tabela de poles por equipes em uma só temporada, com 18.

Sebastian Vettel – 15 poles (Australia, Malásia, China, Turquia, Mônaco, Canadá, Valência, Hungria, Bélgica, Itália, Cingapura, Japão, Índia, Emirados Arabes Unidos e Brasil)

Mark Webber – 3 poles (Espanha, Inglaterra e Alemanha)

Lewis Hamilton – 1 pole (Coréia do Sul)

Pódios

Outro recorde igualado por Vettel em Interlagos e que foi pouco lembrado é o do número de pódios em uma mesma temporada. Das 19 corridas de 2011, o alemão esteve na cerimônia de premiação 17 vezes, faltando apenas às provas da Alemanha e Abu Dhabi.

Mais uma vez, o bicampeão rivalizou com seu compatriota Schumacher, que atingira a mesma quantidade de pódios em 2002. A diferença é que, naquele ano, foram disputadas 17 GPs, o que significa que Michael esteve na tribuna em todas as corridas.

Button apareceu em segundo, com 12 pódios e uma curiosidade: nas primeiras dez corridas do ano, ele esteve entre os três melhores apenas quatro vezes, mas emplacou oito pódios em nove corridas a partir do GP da Hungria. Na sequência, ficou Alonso, com dez, mesmo número de Webber. Já Hamilton saboreou o champanhe apenas seis vezes.

Fora as três grandes, somente a Lotus Renault teve o gostinho de terminar uma corrida entre os três primeiros. Duas, precisamente. Vitaly Petrov chegou ao pódio na Austrália e Nick Heidfeld repetiu o feito na Malásia.

Sebastian Vettel – 17 pódios

Jenson Button – 12 pódios

Fernando Alonso – 10 pódios

Mark Webber – 10 pódios

Lewis Hamilton – 6 pódios

Vitaly Petrov – 1 pódio

Nick Heidfeld – 1 pódio

Voltas mais rápidas

Se não conseguiu fazer frente a Vettel em quase nenhum quesito este ano, Mark Webber teve como prêmio de consolação a liderança no que tange às voltas mais rápidas. Foram sete anotadas pelo australiano ao longo de 2011, contra três de Hamilton, três de Button e outras três de Vettel. Felipe Massa, que não havia aparecido em nenhuma das estatísticas anteriores, teve seu nome inserido aqui com duas voltas mais rápidas. Alonso veio em sexto, com uma.

Mark Webber – 7 voltas mais rápidas (Malásia, Turquia, China, Mônaco, Bélgica, Emirados Arabes Unidos e Brasil)

Lewis Hamilton – 3 voltas mais rápidas (Espanha, Alemanha e Itália)

Jenson Button – 3 voltas mais rápidas (Canadá, Cingapura e Japão)

Sebastian Vettel – 3 voltas mais rápidas (Valência, Coréia do Sul e Índia)

Felipe Massa – 2 voltas mais rápidas (Hungria e Australia)

Fernando Alonso – 1 volta mais rápida (Inglaterra)

Voltas lideradas

Mais um recorde para a conta de Vettel. O tedesco liderou nada menos do que 738 voltas das 1.132 realizadas, o que dá um total de 65,3%. A antiga melhor marca era de Nigel Mansell, com 694 em 92.

Apesar da temporada ruim, Hamilton ficou em segundo com sobras nessa estatística, com 150, 62 a mais que o companheiro Button. Alonso foi o quarto, com 68, enquanto Webber registrou ínfimas 59 voltas lideradas com a Red Bull.

Nico Rosberg colocou a Mercedes em sexto na estatística, tendo fechado 17 passagens na primeira colocação. Atrás dele, ficaram Massa, com nove, e Schumacher, com três.

Sebastian Vettel – 738 voltas lideradas

Lewis Hamilton – 150 voltas lideradas

Jenson Button – 88 voltas lideradas

Fernando Alonso – 68 voltas lideradas

Mark Webber – 59 voltas lideradas

Nico Rosberg – 17 voltas lideradas

Felipe Massa – 9 voltas lideradas

Michael Schumacher – 3 voltas lideradas

Anúncios