A, de Asa-móvel- Funcionou muitíssimo bem nas corridas. Causou um pouquinho de polêmica por facilitar muito as ultrapassagens. Raikkonen até falou que a ultrapassagem com asa-móvel não era uma ultrapassagem real, e sim uma ultrapassagem eletrônica. Em certos casos como no Brasil e em Mônaco, mas em outros deu bastante certo como na Turquia, em Abu Dabhi e no Canadá.

B, de Bruno Senna- Começou o ano na reserva e graças às más atuações de Heidfeld, foi promovido a piloto titular na Lotus Renault. Começou arrasando a concorrência (literalmente) na Bélgica e na Itália, mas depois só caiu de produção. Chegou perto dos pontos na Índia e no Brasil, mas só passou perto no final.

C, de Chandhok- O indiano não conseguiu uma vaga na F1. Conseguiu apenas ser o piloto reserva da Team Lotus. Ganhou sua chance em Nurburgring, mas decepcionou com várias rodadas e escapadas. Até tentou correr no seu país natal, mas Tony Fernandes negou e Chandok teve de se contentar com um treino livre de sexta em seu país natal. Que pena do monocelha mais rápido do mundo.

D, de Disputa- Esse ano não teve. Já que Vettel garantiu o título em Suzuka e deixou todos os outros de mãos abanando. Bom para o alemão de Heppenheim.

E, de Evolução- Nessa temporada a Force India e a Lotus foram as equipes que mais evoluíram. A Force India ficou a 4 pontos da quinta colocada, Lotus Renault. A Lotus já começou a passar para a Q2 com Kovalainen que também mostrou evolução, dando surra no seu companheiro nascido em Pescara, Jarno Trulli.

F, de Felipe Massa- Segundo David Coulthard, ele foi a decepção da temporada. Não desgrudava do sexto e do quinto. Mas quando ele estava brigando por uma posição melhor, alguma coisa acontecia como a parada na última volta na Alemanha ou a rodada na curva 1 nos Emirados Árabes.

G, de Gilles Villeneuve- O GP do Canadá realizado no Circuit Gilles Villeneuve, foi o mais legal de 2011. Foram 4 horas de corrida. Tivemos que assistir o jogo do Corinthians para vermos a corrida. Teve Alonso batendo e Massa puto com Karthikeyan. Teve até os mecânicos da Force India brincando com um cachorrinho de brinquedo.

Largada do GP do Canadá de 2011

H, de Hamilton- Hamilton foi outro polêmico na temporada. Se envolveu em várias batidas e punições. Não foi mais agenciado pelo seu pai e sim por um cara do show bussiness e terminou seu namoro com Nicole Schezinger. Mas parece que no final da temporada ele voltou a ser o Hamilton que conhecemos.

I, de Interlagos– O GP do Brasil deste ano não empolgou muito. Quem sabe a pista bacana que é Interlagos poderia dar uma animada na corrida, mas nem isso. Pelo menos podemos ver Massa sem pneus, segurando bravamente Hamilton que tinha mais pneus e asa móvel. Hamilton terminou aquela corrida e não passou Felipe Massa.

J, de Jogo de equipe- Ainda existe a suspeita de que Vettel deixou Webber passar no Brasil. Como Vettel poderia estar com problemas no câmbio e ainda fazer a volta mais rápida por três vezes! E ainda teve o lance na Inglaterra, quando Webber se aproximava de Vettel e a equipe disse para Webber não passar Vettel. Webber não obedeceu e por muito pouco não ultrapassou Vettel. Ano passado, Horner falou que esse negócio de jogo de equipe não constava no dicionário da Red Bull.

K, de KERS- O KERS apenas foi uma irmãzinha menor da asa-móvel. Mas o KERS ajudou bastante na hora da largada. E também ajudava um pouquinho a ultrapassar numa reta que não era a da asa-móvel. Além disso, o KERS não foi utilizado pela Lotus, pela Hispania e pela Marussia Virgin.

L, de Lucas di Grassi- Di Grassi disse que ia correr no Brasil, mas não deu por falta de patrocínio. Teve de se contentar em pilotar um Toyota preto de 2009 testando apenas os novos compostos da Pirelli.

Di Grassi testando pela Pirelli

M, de Maldonado- O venezuelano patrocinado pela petrolífera PDVSA não surpreendeu muito esse ano. Marcou apenas um ponto em Spa. E nada mais para dizer.

N, de Narain Karthikeyan- O indiano só conseguiu correr em 2011 graças ao seu patrocínio da indiana Tata Motors. Decepcionou e foi sacado depois de ser o primeiro vigésimo quarto da história da F1. Mas conseguiu pilotar na terra natal, Índia. E desfrutou de seus 15 minutos de fama.

O, de Oval- Temos circuitos muito ruins na F1. Isso é fato. Não permitem ultrapassagens e a corrida vira uma procissão, uma romaria. Temos também circuitos de rua, circuitos no deserto, circuitos a noite, chiques, pobres, mal feitos, deslumbrantes. Mas nunca na história da Fórmula 1 tivemos uma corrida em circuito oval. Os carros não suportariam a pressão aerodinâmica? Os pilotos não estariam preparados? Quais as implicações de se experimentar uma corrida num local tipicamente dominado pela Fórmula Indy? Eu gostaria de ver um Koba Mito, um Alonso, um Hamilton se virando em curvas de 90º de inclinação…

P, de Pneus Pirelli- Os novos compostos da Pirelli realmente animaram um pouco as corridas. Os pneus macios não duravam 20 voltas e os duros ou médios duravam umas 25, 30 voltas. De vez em quando um Kobayashi ou um Perez apostavam numa única parada e se davam bem. Mas quem cuidava dos pneus como se fossem bebês, era Jenson Button. Esse sim merecia ser campeão.

Q, de Q1, Q2 e Q3- Trulli, Liuzzi, D’ Ambrosio, Glock, Karthikeyan, Ricciardo e Chandhok nunca passaram para a Q2.

R, de Rubens Barrichello- O bravo Barrichello pilotou uma caquética Williams. Marcou míseros 4 pontos e nada mais. Não se sabe se ele continuará em 2012. Ele disse que o GP do Brasil não seria sua última corrida. Vamos ver no que dá o futuro de Rubens Barrichello.

S, de Schumacher- Outro injustiçado. Teve boas atuações como no Canadá e na Bélgica e más atuações como na Alemanha. Ele já tem 42 anos. Talvez ele já esteja enferrujado. Só resta o velho Schumacão esperar por um futuro melhor.

T, de Timo Glock- O velho Timo andou com um miserável MVR-02. Parece que a sorte nunca sorriu para ele. Ele tem o primeiro nome de um órgão do sistema que proteje o ser humano. E o segundo nome é o de uma marca de pistolas. E ele renovou com a Marussia. Meu Deus, ele não dá uma dentro!

U, de Ultrapassagem- Talvez a melhor ultrapassagem da F1 foi a de Vettel sobre Alonso por fora em Monza. Ou a ultrapassagem de Massa sobre Kobayashi na última reta e ganhou a sexta posição nos últimos milímetros. Decida qual foi a melhor ultrapassagem e se achar outra use e abuse da caixa de comentários.

V, de Vettel- Foi o dominador de 2011. Venceu 11 das 19 corridas realizadas. Foi o recordistas de poles-position numa única temporada. E garantiu o título antecipado logo no Japão. E pra terminar, é o bicampeão mais jovem da história da F1. Precisa dizer mais alguma coisa.

W, de Webber- Foi apenas sombra de seu companheiro Vettel. Sempre fazia largadas ruins e botava tudo a perder. Tinha apenas que se contentar com as melhores voltas em sete corridas. Mas deixou tudo para o final quando “ultrapassou” Vettel e liderou de ponta a ponta para ganhar o GP do Brasil de 2011. Terminou o ano com uma imagem diferente daquela apresentada no início da temporada.

X, de Xangai- A corrida de Xangai foi uma das mais chatas da temporada. 23 carros completaram (Alguersuari abandonou) . A única coisa diferente foi que Vettel não ganhou. Hamilton ganhou por estar com mais pneu.

Y, de Yeongam- Ao contrário do ano passado, não teve uma corrida bacana. Só teve de empolgante Massa em terceiro e Schumacher e Petrov batendo. Nada mais.

Z, de zzzzzzz: Tá, tudo bem…. a F1 é fascinante. Estratégia, disputadas acirradas, rivalidades. Mas não dá para negar que algumas corridas deram sono. E não só porque eram transmitidas durante a madrugada. Procissões, desfiles, salão do automóvel… escolha o melhor apelido e tedie-se!

PS: O leitor Araújo Gabriel acertou a foto de ontem. Parabéns, Araújo Gabriel.

Anúncios