Esse carro é uma bosta vermelha e branca!

Duas da manhã. Essa foi a hora em que tive de acordar hoje. Mas o treino não foi à três da madruga? Para vocês que moram num lugar que segue o horário de Brasília, sim, foi três horas. Mas aqui no norte do Brasil, tudo passa uma hora mais cedo do que vocês.

Continuando, eu acordei duas da madruga para ver o treino. Quando deu duas horas, o despertador no meu celular, que é igualzinho ao celular do Ferdinand da novela “Fina Estampa” , tocou. Musiquinha chata, mas que acorda na hora. No começo, me perguntava o porquê de eu estar acordando naquele momento.

Levanto a minha cabeça, desligo o despertador. Aí eu me lembro de que eu ia ver o treino classificatório do GP da Austrália de F1. Acordo morrendo, mas acordo. Saio do quarto, onde meu irmão está dormindo profundamente. Meu irmão não assiste F1. Ele não gosta, por motivos que desconheço. Por isso, vou para a sala, onde só posso acordar os ratos que vivem na cozinha.

Acendo a luz. Ligo a TV. O treino já estava com três minutos da Q1. Petrov estava saindo com sua Caterham e percebo que não tinha perdido nada naqueles três minutos que tinham rolado. Deito no sofá. O sofá está com o braço direito quebrado. Então apoio minha cabeça no braço esquerdo do sofá.

Passa o tempo. A Q1 só serve para torcer para a HRT (time que torço, não me julguem) . Nem a minha torcida ajudou. Novamente, a HRT não passou do limite dos 107% e não vai correr hoje de madrugada. Também com pilotos como Pedro de la Rosa e Narain Karthikeyan, o que podemos esperar da pequena Minardi espanhola. Também estava torcendo para Felipe Massa. Massa por pouco não passou para a Q2. Ele tirou Raikkonen. O finlandês deu uma escapada sozinho no setor 3.

Penso que é só um pequeno sustinho de Q1. Pensamento errado. Alonso escapa e abandona a qualificação. Beleza, melhor pro Massa que ganharia mais uma posição. Pensamento errado. Na verdade, pensei várias vezes errado naqueles 15 minutos de Q2. Massa abre sua última volta rápida.

Imediatamente, eu digo: “Vamo Felipe, tem um menino em Manaus que ainda acredita em você. Não me decepcione.” . Filha da mãe. Me decepcionou. Ele desistiu de sua última volta rápida. Tentei torcer para Bruno Senna, mas ele não conseguiu fazer milagre com sua Williams paupérrima.

Essa Williams é ruim, mas Bruno Senna ainda tem a minha torcida

Imediatamente, eu levanto minha cabeça e bato com ela no braço esquero do sofá, onde ela estava apoiada. Olho para o alto e dou um suspiro decepcionado.

Nem os erros gramaticais de Galvão Bueno (“aconticeu” , pelo amor de Deus) puderam me animar novamente. Para quem eu ia torcer na Q3? O pessoal da Globo faz aquela aposta de quem vai ser o pole. Aposto que vai ser o Button, mas mudo radicalmente minha opinião e aposto no Schumacão e sua Mercedes.

Mas Hamilton e Button provaram que o “ornitobico” foi uma completa perda de tempo das outras equipes e marcaram a dobradinha da McLaren em Melbourne. Não tivemos o dedo indicador de Vettel para o alto. Tivemos seis dedos para o alto. Romain Grosjean surpreendeu a todos e cravou a terceira posição no grid ao lado de Michael Schumacher. Minha aposta para a pole.

Voltando ao tema do título. Felipe Massa me decepcionou profundamente. Sabia que o carro não era bom o suficiente para abocanhar a segunda, primeira ou a terceira fila do grid. Mas não esperava que o carro fosse tão ruim, a ponto de Massa ficar atrás das Williams de Bruno Senna e Pastor Maldonado e de Fernando Alonso que mal completou o treino da Q2.

Esperava que ele conseguisse ao menos uma nona posição, ou quem sabe até um oitavo. Mas isso não abalou. Vou continuar torcendo para Felipe Massa. Bruno Senna também tem a minha torcida. A esperança é a última que morre. Ainda acredito em tu, Felipe Massa. Você é meu ídolo.

Então, eu levantei do sofá. Bocejei um pouco. Ajeitei a torneira da cozinha que estava pingando. Apagei a luz, desliguei a TV, abri a porta do quarto e fui dormir. Mas decepcionado. Mas para animar um pouco, fiquem com essa foto engraçadinha que achei por aí.

Anúncios