O GP da França está voltando a F1. Mas tomara que não volte em Magny-Cours

Já estavam falando e cochichando desde o ano passado. Que o GP da França poderia estar voltando a F1 em 2013. Hoje foi confirmado que o GP da França iria voltar ano que vem. Só não se onde o GP da França vai voltar. O chato disso é que o GP da França poderá revezar ano por ano com o GP belga de Spa. E lá se ia uma das poucas pistas legais que permanecem no calendário de F1. Voltando ao assunto do GP da França, como a única pista legal da França que era Rouen-Les-Essarts já nem existe mais. Que pista iria receber a F1 de Vettel, Alonso, Bernie, Newey, Kimi, Pirelli, picolés, dinheiro e coisa e tal?

O circuito de Nevers Magny-Cours. Qualquer um menos ela

Na prática, a FIA tem 3 opções. A primeira delas é Magny-Cours. Magny-Cours recebeu a F1 de 1991 até 2008. Magny-Cours é uma pista que conta com retas de tamanho considerável, mas todas as suas curvas são lentas e travadas e geralmente as corridas por lá eram chatas.

Ironicamente, os franceses e brasileiros nunca se davam bem em Magny-Cours. O único francês a ganhar uma corrida em Nevers foi Alain Prost em 1993 com a Williams. E o Brasil só levou uma corrida em Nevers com Felipe Massa após vencer magistralmente com a Ferrari em 2008. Nínguem gosta de Magny-Cours. Por ser travada e não proporcionar uma corrida que preste. Por conta disso e da Crise Econômica de 2008, o GP da França em Magny-Cours foi cancelado, apesar de já estar inserido no calendáro da F1 em 2009.

E Nevers Magny-Cours voltou a receber corridas de categorias menores como a fracassada Superleague Formula. O problema de Magny-Cours receber a F1 de novo é que nós, os telespectadores, veriam corridas com poucas ultrapassagens e a corrida seria chata e previsível. Ou seja, o problema é no marketing e da pista receber corridas tão legais quanto as de Barcelona.

O retão de Paul Ricard. Desfigurado com um monte de chicanes

A segunda opção é Paul Ricard. Paul Ricard recebeu a F1 em 1971, 1973, 1975, 1976, 1978, 1980, 1982, 1983, 1985 até 1990. É um dos circuitos mais tradicionais da França. Recebia corridas bem legais nos tempos em que recebeu a F1. Mas o circuito era bem conhecido pela grande retão que media incríveis 1,8 kms e que era chamado de Mistral.

Mas o circuito era mal conhecido pela falta de treinamento dos “laranjinhas” que agiam na pista. Elio de Angelis morreu num teste pela Brabham após os laranjinhas despreparados não o ajudarem a tempo de savá-lo. Por esse motivo, Magny-Cours entrou no lugar da pista de Le Castellet.

Hoje a pista é bem diferente da antiga que recebeu a F1. Praticamente, não existem mais aquelas áreas de escape feitas de brita. As áreas de escape são de asfalto pintado de azul, amarelo e vermelho. O circuito também recebeu bastantes modificações no traçado. Vários traçados alternativos foram colocados ao longo da pista. A mudança de traçado que mais me chateou foi a implantação de um monte de chicanes no meio do retão Mistral.

E essas chicanes seriam provavelmente colocados no traçado de Paul Ricard se o circuito recebesse a F1. Sem a Mistral, parte da graça ia embora. Que bom que não botaram chicanes no retão de Fuji.

Sochi e New Jersey, os próximos circuitos tilkeanos na F1. Os circuitos tilkeanos podem ser uma opção para o GP da França de 2013

A terceira e última opção seria criar um novo circuito tilkeano. Sochi na Rússia e New Jersey nos EUA serão os próximos circuitos tilkeanos da F1. Criar um circuito concebido de um projeto de Hermann Tilke poderia ser uma opção. Seria só escolher um terreno grande o suficiente para abrigar um circuito de 4 a 5 km e chique. O problema dessa opção é que poderia não haver tempo para construir o circuito até a parte européia do calendário de F1.

Uma maneira para reverter o problema do tempo seria Tilke criar um circuito nas ruas de algum lugar legal da França como Lyon ou Paris. Seria uma maneira de conseguir mais fãs franceses de F1 e seria bom para o marketing e para os bolsos de Bernie Ecclestone. O problema poderia ser se o circuito não puder favorecer muito as ultrapassagens (como em Marina Bay) e receber corridas chatas e monótonas (como em Valência) .

Bom, seja a corrida sendo realizada em Magny-Cours, Paul Ricard ou em um novo circuito tilkeano permanente ou de rua. Tomara que não haja esse revezamento com Spa. Tirem Valência ao invés de Spa e eu me animarei.

Anúncios