Nova série no blog. F1 Horror Story (o nome não veio da série “America Horror Story” , nunca ouvi falar de “American Horror Story” ) . Uma série de terror que rola toda a terça-feira. Mas a série também tem a ver com a F1. Vamos para a história de hoje.

Vocês se lembram do jogo F1 2006. Isso. Aquele jogo de belos gráficos, disputas, fácil de achar nos pirateiros que vendem DVSs ilegais nas grandes cidades e onde podemos ver corridas virtuais. O problema desse jogo é que ele é muito fácil de se ganhar, acidentes não rolam muito e não existe nenhum tipo de defesa de posições por parte do videogame. Um jogo muito chato para falar a verdade, mas de vez em quando tem a sua parte maneira como aquela vez em que o meu colega bateu em mim na última reta de Interlagos, ficamos de ré e ganhei dele indo de ré. Esse jogo vai ser o tema de hoje.

Havia 3 grandes amigos. Eram Pedro, Rafael e Bruno. Pedro e Rafael eram primos e tinham 15 anos, e Bruno era apenas um amigo leal que tinha 14 anos. Bruno tinha um PlayStation 2. E Pedro e Rafael não. Então, todas as terças, sextas e sábados, eles iam a casa de Bruno para passar a tarde toda jogando F1 2006 no PS2. Eles curtiam bastante jogar na casa de Bruno.

Até que um dia, o CD riscou e ele não prestou mais. Bruno passou grande parte do tempo atrás do jogo, mas não achava. Pedro e Rafael não gostaram disso. Achavam que Bruno estava enrolando demais e que ele não queria comprar um jogo que era achado em qualquer lugar.

Eles discutem e Bruno resolve não ser mais amigo dos dois primos. Bruno sente falta de jogar F1 2006. Compra o jogo num amigo conhecido por todos como “Bode” . Bode vendia jogos pirateados perto da escola onde estudavam o 3 ex-amigos. Na saída, ele havia acabado de comprar o jogo. Pedro e Rafael olham ao longe, Bruno indo para casa como o jogo na mão.

Rafael: -Olha lá, o Bruno comprou o jogo só para querer jogar sozinho na casa dele.

Pedro: -Mas ele não vai jogar sozinho se não tiver o jogo para jogar.

Rafael: -E vamos dar um lição a mais para ele.

Pedro e Rafael o seguem pelo caminho até em casa. Eles chegam na Rua México. Uma rua onde as pessoas só saem para a rua nos feriados e no final de semana. E como aquele dia era 30 de fevereiro e não era feriado e sim, uma terça-feira. A rua estava vazia. Apenas os cachorros estavam lá.

Bruno percebe que está sendo seguido tenta correr, mas os primos são mais rápidos que ele. Ele pede socorro na casa de um colega chamado Frank. Grita desesperado, mas seu grito não é atendido. Pedro e Rafael o pegam e o levam para um matagal que havia ali. O espancam brutalmente e sem dó.

Era só para fazer Bruno sofrer, mas uma coisa dá errado e um dos vários golpes que acertaram Bruno, acaba acertando o pescoço de Bruno. O golpe rompe uma artéria ou uma veia do pescoço de Bruno. Bruno começa a sangrar.

Rafael: -Essa não, ele tá sangrando no pescoço.

Pedro: -Isso não é bom, cara. Vamo embora daqui!

Rafael e Pedro saem correndo dali com o jogo F1 2006. Bruno sai cambaleando do matagal e sangrando muito. Ele cai desacordado no meio da rua. Algumas pessoas que passavam pela Rua México (de fato, eles moravam na Rua Bonita) para ir a Avenida Uruguai (onde ficava a escola de Bruno, Rafael e Pedro) ainda tentam o socorrer, mas já era tarde demais. Bruno estava morto.

No enterro de Bruno, aparecem todos os familiares e amigos. Até Pedro e Rafael vão ao enterro para não levantar suspeitas. Depois do enterro, eles conversam e decidem que nunca mais vão tocar no assunto e nunca mais vão falar sobre ou de Bruno.

Depois de tudo isso, acontecem vários fatos à la Atividade Paranormal. Era o espírito de Bruno dando uma de demônio buscando sua vingaça. Rafael foi o primeiro a morrer com parte do pescoço sendo arrancado e com vários de seus ossos quebrados. O espírito de Bruno vai atrás de Pedro. Aquelas coisas de cadeira se mexendo sozinha, etc. Acontecem vários fenômenos paranormais e Pedro fica trancado sozinho no seu quarto.

O espírito de Bruno aparece na frente de Pedro. Pedro dá um grito de desespero e medo, não nessa ordem. E logo depois, dá um último grito de dor. E Pedro morre. Ele morre da mesma maneira que Rafael morreu. Com parte do pescoço arrancada e vários de seus ossos quebrados.

No quarto onde Pedro morreu, estava o CD do jogo F1 2006 com capa e tudo. O espírito de Bruno pega o CD e vai ao cemitério onde Bruno foi enterrado. Então ele coloca o CD dentro da capa sobre a lápide de Bruno. Até hoje, o CD ainda está lá na lápide de Bruno. Dizem que se você roubar o CD F1 2006 da lápide, o espírito de Bruno o persegue e o mata se não devolver o CD de novo. E foi assim que vários adolescentes morreram naquele bairro. E acabo de criar uma lenda urbana.

Anúncios