No GP da Itália de 2006, correndo em casa. A Ferrari e Michael Schumacher brigavam com facas e dentes contra a Renault e Fernando Alonso na disputa pelo título. Depois de 53 voltas na veloz Monza, Michael Schumacher se sagrou vencedor da corrida e diminuiu para dois pontos a diferença dele para o líder do campeonato, Fernando Alonso. Mas uma revelação incrível estava por vir depois da corrida.

Na tradicional coletiva de imprensa depois da corrida, Michael Schumacher anunciou sua primeira aposentadoria. “Houve muita discussão sobre meu futuro. Sinto muito por não ter dito antes, mas tem um momento certo. Este é o exato momento. Será meu último GP na Itália. E irei me aposentar do automobilismo. Foi um tempo realmente excepcional. Realmente amei todo momento, os bons e ruins”, disse Schumacher.

A reação foi imediata. Vários e vários sites de automobilismo noticiaram a aposentadoria de Schumacher. Todos ficaram tristes. Michael Schumacher tinha na época, 36 anos, e tinha 7 títulos, 91 vitórias, 154 pódios, 64 poles, 22 hat-tricks e tinha vários outros recordes na pista. Além de vários fãs ao redor do mundo. Depois do anúncio da aposentadoria, Michael Schumacher ainda venceu no GP da China e assumiu a liderança do campeonato no desempate.

Ma o título escapou de Schumacher no Japão, quando o motor Ferrari não resistiu e ele teve de abandonar a corrida. Alonso venceu e abriu 10 pontos na liderança faltando apenas uma corrida.

No Brasil, a última etapa. Várias homenagens para Schumacher na sua despedida da F1, como essa da foto com a BMW escrevendo “Danke Michael” e “Thanks Michael” no aerofólio traseiro de seus carros. Apesar da enorme diferença para Alonso no campeonato, todos queriam que ele fosse o campeão.

Na corrida, Schumacher largou em décimo e teve um pneu furado  no começo da prova caindo para último. Mas Schumacher provou quem ele era e fez uma corrida admirável, fazendo ultrapassagens lindas como a ultrapassagem linda sobre Kimi Raikkonen pela quarta posição.

Por mais que a corrida do alemão fosse fantástica, para ser campeão precisava que Alonso não marcasse pontos e Schumacher vencesse a corrida. O que não se realizou. Alonso foi o segundo e Schumacher, o quarto. Depois de várias homenagens, Schumacher se despedia da F1. Em 2010, ele voltou para a F1 pela Mercedes. Esperava-se que ele voltasse aos bons tempos. Mas em 3 anos na Mercedes, foram apenas um pódio em Valência e uma pole em Mônaco, que lhe foi tirada por causa do incidente com Bruno Senna na Catalunya.

Mais uma vez, Michael Schumacher se despede da F1. Diferente de 2006, quando se despediu com glória e vitórias, hoje ele se despede de forma melancólica. Mas mesmo assim, ainda é e sempre será, apesar de polêmicas, um grande e um dos melhores pilotos do mundo.

Obrigado Michael e vá descansar.

Anúncios