You are currently browsing the monthly archive for maio 2013.

Quando criei esse blog, não sabia que ia durar tanto. Apesar disso, aqui estou eu falando sobre o 2 anos completados por este mísero blog entre tantos milhões de outros pelo universo cibernético.

Ironicamente, esse blog foi colocado ao ar justamente no mesmo dia em que Roland Ratzenberger morreu. O primeiro post veio logo depois, no dia em que Ayrton Senna morreu. Por algum motivo eu criei esse blog nos mesmos dias que há 19 anos estavam fazendo muita chorar e ficar de luto. Naquela época, eu estava desinformado e nem um pouco ligando pra isso. Já que estava jogando PlayStation com um amigo meu.

No dia 1 de maio, seria algo normal um blogueiro de automobilismo escrever algo sobre o Senna ou Ratzenberger. Mas não, eu falei da MasterCard Lola! Sim, o primeiro post dessa bagaça foi a equipe que fez Vincenzo Sospiri chorar por semanas e que arruinou a honra da Lola na F1.

Apesar de tudo isso, o blog foi crescendo e crescendo. No primeiro ano, foram 18.384 visitas e o recorde de visitas era de 325 visitas em fevereiro. Curiosamente, no dia seguinte alcançamos um novo recorde de visitas, 875 visitas. Talvez porque houve uma intensa procura por posts e fotos de Ayrton Senna e tinha feito um post com várias fotos do acidente, mas isso não importa. O que era 18.384 visitas, hoje é de 58.460 visitas até este momento. A marca de 50 mil visitas foi alcançada a pouco tempo, a uns 2 meses mais ou menos. E já são 232 comentários nos posts. Número que me deixa feliz, pois existe gente que perde seu tempo pra ver o que escrevo.

Esses números conseguiram me trazer algumas conquistas como conseguir ser colunista em sites e blogs como o GP Expert, Ultrapassagem Automobilismo e até mesmo uma breve passagem no já extinto, Reta dos Boxes. Apesar de nunca mais ter postado no GP Expert e de postado apenas um texto no Ultrapassagem por falta de tempo.

A falta de tempo é tanta que no primeiro ano terem sido 317 posts escritos e no segundo ano foram apenas 59 posts (contando com este). Meu tempo e saco foram indo ralo abaixo nesse último ano e isso tem atrapalhado bastante. Mas que se dane.

Obrigado aos meus leitores por me fazerem chegar a 2 anos de blog. Esse blog ainda tem muito a oferecer e vou estar por aqui por muito tempo postando um monte de besteiras que ninguem quer ler. Até lá, ainda estou aqui.

Ele fazia a mesma coisa quase todo domingo. Ele havia nascido para fazer aquilo. Desde criança, ele amava corridas. Amava a velocidade. Vendo isso, seu pai, que era dono de fábrica de peças de automóveis, fez um kart com um motor de cortador de grama de número “007” . À época, ele tinha apenas 6 anos.

Ele amou aquele “brinquedo” que seu pai havia lhe dado. Quando andou com aquele “brinquedo”, ficou fascinado quase que instantâneamente. Durante anos, ele levava seu “brinquedo” para a garagem de sua casa, onde vivia o desmontando e montando em busca da perfeição. Ele consertava alguma coisa no freio para fazer a curva de maneira melhor. Ele vivia fazendo coisas naquele “brinquedo” para torná-lo melhor e mais rápido.

Ironicamente, em sua primeira corrida de kart, ele conseguiu a pole-position. De forma aleatória que era decidida o grid de largada da corrida, ele tirou justamente o número 1, o da pole-position. Na corrida, ele venceu sem problemas. Anos mais tarde, foi pole-position e venceu várias e dezenas de vezes sem problema algum. Foi ali que surgia um grande trabalhador e ídolo.

A primeira vez que ele correu na chuva, ainda estava no kart. Já era um adolescente. Quando correu pela primeira na chuva, rodou várias vezes. Terminou nas últimas colocações da corrida.

Decidido a nunca mais passar por tal humilhação, ele passou a treinar várias vezes na chuva. Quando chovia, ele pegava o capacete e ia pra pista molhada  de Interlagos em busca de aprender a dominar aquele fenômeno da natureza. Foi assim durante meses e meses e sempre retornava para casa completamente encharcado. Anos mais tarde, venceu várias corridas na chuva. Foi ali que surgiu o apelido “o rei da chuva” para ele.

Com seus pais permitindo, ele viajou para a Europa para correr na Fórmula Ford 1600. Afinal, era apenas um hobby, não um trabalho ou profissão. Na Inglaterra, ganhou 12 campeonatos e foi saudado como um prodígio pelos ingleses. Mesmo assim, seu pai pediu para ele pensar seriamente sobre o seu futuro, afinal, as corridas eram apenas um hobby.

Ele foi matriculado num curso universitário de Administração de Empresas de São Paulo. Ao perceber que ele não era feliz ali, seu pai autorizou que ele volta-se a Inglaterra para ser um campeão. Na F-2000, conseguiu vencer corridas, voltas mais rápidas, poles-position logo nas primeiras seis corridas do campeonato. Ele ganhou 20 das 28 corridas da temporada. Feito ainda inigualável nos tempos de hoje da F-2000. O seu desempenho em Silverstone era tão excepcional que a pista chegava a se chamada de “Silvastone” por tantas vitórias e poles-position na pista.

Na F-3000, venceu 12 de 20 corridas na temporada. Ele venceu na chuva, sem freios literalmente, faturou várias poles-position e voltas mais rápidas. Harry, como era chamado pela imprensa britânica, pois seu nome verdadeiro era impronunciável para os ingleses, era imparável nas pistas. Anos mais tarde, faturou várias vitórias, títulos, voltas mais rápidas, poles-position e vários outros marcos na carreira. Foi ali que surgia um grande campeão.

Ele era um grande trabalhador. Um trabalhador que conseguiu animar o Brasil nos domingos mesmo quando o país parecia voltar para trás no tempo com tantos problemas financeiros e políticos e até mesmo quando não tinha o melhor carro.

Um trabalhador que gostava e amava o que fazia. Um trabalhador que morreu fazendo o que amava justamente no Dia do Trabalho. Um trabalhador que fez um país inteiro ficar de luto por semanas e anos. Um trabalhador que mesmo após de morrido, ainda atrair uma legião de fãs pelo mundo. Fãs que fazem o que fazem hoje, ou seja correr, justamente por querer ser como o ídolo trabalhador.

Um trabalhador que fez milhões de pessoas acordar cedo apenas para vê-lo dar seu show na pista. Um trabalhador chamado Ayrton Senna. Que já se foi há 19 anos. Descanse em paz, Ayrton Senna. Onde quer que você esteja.

*1960 +1994

Tuíter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Calendário

maio 2013
D S T Q Q S S
« abr    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 18 outros seguidores