You are currently browsing the tag archive for the ‘david coulthard’ tag.

O segundo carro projetado por Adrian Newey na Red Bull, apesar de conquistar bons pontos, para uma equipe mediana, não foi, o realmente esperado para o terceiro ano da Red Bull. Contando com um constante Webber, e um já veterano David Coulthard, a equipe marcou 29 pontos ao longo de 2008, 10 a menos que sua equipe irmã, a STR.

O carro era uma visível evolução de seu antecessor, com melhorias para que este conseguisse arrebatar pontos, e firmasse a RBR como uma equipe com bom desempenho entre as equipes médias. Apresentava uma solução inventada pela McLaren, o arco por cima do bico, e da asa dianteira.

Foi o último carro que David Coulthard guiou na F1, conquistando naquele mesmo ano, um bom terceiro lugar no GP do Canadá, mesmo ficando atrás do australiano Webber no Campeonato de Pilotos. Ironicamente, ele saiu quando a equipe finalmente construiu um carro bom.

 

Dados:

Equipe: Red Bull Racing

Designers: Adrian Newey (Projetista, chefe técnico)

Geoff Willis (Diretor técnico)

—————————————-
Dados técnicos:

Chassis: Feito de fibra de carbono, monocoque

Suspensão: Feita de alumínio, e fibra de carbono, sistema pushrod. Independente nas quatro rodas (Suspensões dianteira e traseira)

Motor: Renault RS27-2008, 2.4 litros, V8, naturalmente aspirado, limitado a 19.000 RPM, montado logitudinalmente

Transmissão: 7 velocidades, e uma reversa (marcha ré), câmbio sequencial, semi automática

Combustível: Elf

Pneus: Bridgstone, rodas OZ Racing

————————————-
Pilotos:

9 David Coulthard

10 Mark Webber

——————-
Pontos: 29

Corridas: 18

Poles: 0

Voltas mais rápidas: 0

Classificação no Campeonato de Construtores: 7° lugar

 

 
 


 


O carrou causou muitas discussões no circo da F1, pois o carro utilizado pela “equipe irmã” da Red Bull, a Toro Rosso, era idêntico ao RB3. Mesmo com tantas similaridades, a Red Bull conseguiu correr com os dois carros. Olhando a parte aerodinâmica, o desenho mudara um bocado em comparação ao seu antecessor, e assumindo ares de McLaren, isso sendo explicado mais uma vez pelo projetista do carro, Adrian Newey, que por muito tempo integrou o time de Woking.

O RB3 conseguiu bons resultados, com Coulthard chegando a liderar sessões de testes na pré-temporada, e com sucessivas participações no Q3 pelas mãos de Mark Webber. O carro, assim como outros, sempre estava frequentando posições intermediárias, ainda que marcando bons pontos algumas vezes, com um terceiro lugar de Webber como o melhor resultado. Ao final da temporada, o time austríaco melhorou seu desempenho em relação ao ano de 2006, e marcando 24 pontos, conquistando a 5° posição no Mundial de Construtores.

O primeiro carro inteiramente projetado por Adrian Newey na Red Bull, conseguiu bons resultados na temporada na qual participou. O carro, além de ser marcado como projeto do renomado Newey, andava agora com motores Renault, substituindo os Ferrari utilizados em 2006, estes que agora equipavam a Toro Rosso.

Dados:

Equipe: Red Bull Racing

Designers: Adrian Newey
————————-
Dados técnicos:

Chassis: Moldado em fibra de carbono, monocoque

Suspensão: Feita de fibra de carbono e alumínio, sistema push rod, independente (suspensões dianteira e traseira)

Motor: Renault RS27, 2.4 litros, V8, aspirado naturalmente, montado longitudinalmente

Transmissão: 7 velocidades e uma marcha reversa (marcha ré), câmbio sequencial, semi automática

Combustível: Elf

Pneus: Bridgstone
——————
Pilotos:

14 David Coulthard

15 Mark Webber
—————–
Pontos: 24

Corridas: 17

Vitórias: 0

Poles: 0

Voltas mais rápidas: 0

Posição no Mundial de Construtores: 5°

Um post rapidinho,estava sem internet.Não sei se amanhã vai ter post.E se tiver,vai ser um Altos e Baixos.

O segundo carro da Red Bull na F1 não foi tão bem sucedido como seu antecessor. A equipe novata embarcava em seu segundo ano na F1, e prometia com os resultados de seu primeiro ano de competição.
O RB2 era uma visível evolução de seu antecessor, e isto é provado pelas linhas do modelo. É bem possível ver as mudanças neste carro, como as asas, e principalmente as entradas de ar, e a parte traseira, como as áreas que sofreram mais mudanças, consequências dos novos motores e do avanço da aerodinâmica.

A Red Bull também introduziu uma nova suspensão em seu  novo carro, inspirada na suspensão do carro vencedor do ano anterior, o Renault R25. Porém a temporada começou um tanto difícil para o time dos energéticos, com problemas de superaquecimento, o que não é nada bom quando se estreia um novo carro. Estes problemas por exemplo, acabaram por dificultar o desenvolvimento do carro em relação com outras equipes.

Felizmente, os problemas foram logo sanados, e o RB2 conseguiu correr as primeiras corridas. Este segundo ano de F1 era muito importante para a Red Bull, pois serveria como consolidação do time na categoria. A equipe trocou os motores Cosworth pelos Ferrari, e esperava assim conseguir um desempenho melhor em termos de potência.

Ao longo da temporada, o projeto do RB2 não vingou como esperado, e o desempenho estava abaixo do ano anterior. O carro conseguiu também o primeiro pódio da Red Bull na F1, pelas mãos do experiente Coulthard, nas ruas de Mônaco. E com o desempenho abaixo da média, e também com a grande concorrência das outras equipes rivais, a Red Bull acabou por abandonar o projeto RB2 para se focar na próxima temporada.

O carro firmou a Red Bull como uma equipe média, e batalhava para estar entre os dez primeiros, as vezes beliscando alguns pontos. Vale ressaltar que a equipe contratara o renomado Adrian Newey, o que contribuiu o desenvolvimento do carro, ainda que ele não tenha participado completamente do projeto do RB2. A equipe marcou razoáveis 16 pontos em sua segunda temporada, e terminou na mesma posição do ano anterior, no 7° lugar.

Dados:

Equipe: Red Bull Racing

Designers: Adrian Newey
————————–
Dados técnicos:

Chassis: Monocoque moldado em fibra de carbono

Suspensão: Independente, feita de fibra de carbono e outros componentes, molas de torção, barra estabilizadora, sistema push rod

Motor: Ferrari 056, V8 com 32 válvulas,2.4 litros, 90° de inclinação, montado longitudinalmente, aspirado naturalmente, peso de 95 kg, bloco do motor feito de alumínio

Transmissão: Red Bull, 7 velocidades, e uma marcha reversa (marcha ré), montada longitudinalmente, sequencial, semi automática

Combustível: Shell

Pneus: Michelin, com rodas AVUS Racing
——————————————-
Pilotos:
14 David Coulthard

15 Christian Klien

15 Robert Doornbos (substituindo Klien após o GP da Itália)
————————————————————–
Pontos: 16

Corridas: 18

Vitórias: 0

Pole Positions: 0

Voltas mais rápidas: 0

Posição no Mundial de Construtores: 7° lugar

 

O piloto escocês David Coulthard, que deixou a Fórmula 1 em 2008, teve uma experiência inusitada na sexta-feira ao pilotar o carro da Red Bull em Austin, no Texas, local que vai receber um Grande Prêmio da categoria em 2013.

Enquanto o circuito não fica pronto para a Fórmula 1, foi longe do astalto que Coulthard guiou o carro, levantando poeira em uma fazenda na cidade norte-americana e correndo ao lado de cavalos em um trajeto off-road digno de um rali.

Na Formula 1 sempre tivemos esse negócio de um piloto melhor numa equipe do que o outro ser chamado de primeiro piloto e o piloto ruim(não necessariamente ele precisa ser ruim) ser chamado de segundo piloto.Hoje tem cincos infelizes que foram ou são segundos pilotos mais célebres da categoria-mãe dos monopostos.

5-NELSON ÂNGELO PIQUET

 

Veio do filho do tricampeão mundial Nelson Piquet o exemplo mais explícito de subserviência ao companheiro de equipe. Ele sofreu um acidente de propósito no GP de Cingapura de 2008, só para ajudar Fernando Alonso a vencer e agradar o então chefe da Renault, Flavio Briatore. Mas Nelsinho ao menos reconheceu o erro no ano seguinte, e deixou a equipe fazendo estragos. Derrubou Briatore e o engenheiro Pat Symonds. Traumatizado pela experiência extrema como segundo piloto, esnobou a F-1, e atualmente tenta nova carreira na Nascar.

Cingapuragate ou Piquet-gate como Bruno Mantovani(o cara dos Pilotoons)preferiu chamar.Da figura,apenas Alonso e a Renault não cairam com essa história

4-PERRY McCARTHY

McCarthy foi contratado pela Andrea Moda em 1992,várias coisas bizarras aconteceram na sua passagem pela equipe de Andrea Sasseti,sendo a principal delas sendo na Bélgica.A barra de direção de RP Moreno(companheiro de McCarthy naquela época) estava trincada.Então os mecânicos pegaram a barra do carro de McCarthy e botaram no carro de Moreno e vice-versa.Sem saber do ocorrido,McCarthy foi pra pista e quase ocorreu uma tragédia.

Na Eau Rouge, a barra de direção rachou de vez e o piloto se viu sem controle algum na curva mais perigosa do calendário. Após escapar e conseguir milagrosamente retornar à pista, McCarthy ainda conseguiu voltar aos pits lentamente. Por lá, descobriu o que aconteceu. Desnecessário dizer se ele ficou feliz ou não…

O inglês teve sua superlicença suspensa e acabou sendo expulso.Depois McCarthy fez mais alguns testes por outras equipe de F1 e em 93 foi piloto de teste da Benneton Formula.

3-DAVID COULTHARD

Ele chegou na McLaren como primeiro piloto. Desbancou Mika Hakkinen em seus dois primeiros anos na equipe. Título que é bom, só o finlandês conseguiu, em 1998 e 1999. E com a ajuda de Coulthard, que atrapalhava os rivais com uma vitoriazinha aqui, outra ali. Em 2001, a hierarquia se inverteu novamente, e quem disputou o título foi o britânico. Mas Schumacher foi campeão. Depois de Hakkinen, ainda veio o Raikkonen e acabou sendo segundo piloto de vez graças ao talento do finlandês e o Coulthard ficou na McLaren até 2004. Encerrou a carreira na Red Bull, um ano antes de a equipe austríaca conseguir fazer um carro competitivo,que ironia do destino.

Ele ficou bonitinho nas mãos de Bruno Mantovani

2- FELIPE MASSA

Ele surgiu como pupilo de Schumacher na Ferrari, e em seu terceiro ano na escuderia, já desbancou o então campeão Kimi Raikkonen e disputou o título até a última curva. Aquele GP do Brasil consagrou Lewis Hamilton, e foi a última vitória de Massa. Depois, veio um ano pouco produtivo para a Ferrari, e o acidente que quase tirou a sua vida. Quando finalmente voltou a pilotar, ao seu lado estava o bicampeão Fernando Alonso. Veio o polêmico GP da Alemanha, e a frase ?Fernando está mais rápido que você?. Criticado pela própria equipe, o brasileiro vem amargando outro ano atrás do espanhol, mas ainda deverá ter outra chance na próxima temporada.

GP da Alemanha de 2010 por Bruno Mantovani

1-RUBENS BARRICHELLO

Grande esperança do Brasil depois de Ayrton Senna, Rubinho passou seis temporadas correndo com um carro de ponta, mas não conseguiu chegar ao título. Seu companheiro de Ferrari era Michael Schumacher, que tinha a preferência da equipe e até ganhou de presente uma vitória do brasileiro no GP da Áustria de 2002. O alemão ganhou sete títulos e se retirou por três anos, mas Barrichello seguiu na luta. Uma nova chance veio em 2009, com a imbatível Brawn GP. Mas o improvável aconteceu: mesmo com menos experiência, Jenson Button logo assumiu a liderança da equipe, e Rubinho foi segundo piloto mais uma vez.

Rubinho e Button na Brawn GP

Coulthard ia largar na frente naquele dia 26 de maio de 2001,mas um problema na hora que ele ia sair para a volta de apresentação jogou a corrida toda no lixo.Ele voltou lá atrás.Na posição de numero 18,atrás das ARROWS de Bernoldi e Verstappen.Coulthard se livrou fácil de Verstappen,mas ainda faltava Bernoldi.Mal sabia ele que uma simples ultrapassagem sobre um carro inferior ia ser mais difícil do que ele imaginava.Passaram-se várias voltas e Coulthard ainda não tinha passado Bernoldi.Ele tentava na Mirabeau,mas era fechado pelo brasileiro.Bernoldi foi inteligente e se aproveitou do traçado travado de Montecarlo para segurar Coulthard por várias voltas.

E veja a dificuldade da ultrapassagem,Coulthard só foi passar Bernoldi depois que o brasileiro foi fazer sua parada nos boxes.Por conta disso,Coulthard terminou em quinto(o que era um mal resultado prum carro daquele naquela época) e 1 volta atrás.

Bernoldi não chegou a terminar a corrida. Porém, o paddock viu um misto de admiração e ódio pela atitude dele. Tom Walkinshaw, dono da Arrows, foi o primeiro a parabenizá-lo pelo feito. Por outro lado, Ron Dennis, dono da McLaren, ameaçou Bernoldi e até mesmo a continuidade de sua carreira na Fórmula 1. Nem foi necessário: apesar do seu talento, a Arrows foi a única equipe de Enrique na Fórmula 1.

No total de voltas,Bernoldi segurou Coulthard por longuíssissimas 35 voltas.CARA…..!!!!!!

Me desculpe se não aparece a ultrapassagem do Coulthard no Bernoldi 😀

Na primeira parte deste Five Top,eu não tinha colocado outros carros bizarros,mas foi por isso que dividi este Five Top em duas partes.

5-KAUHSEN WK-1979

Will Kauhsen estava fundando sua equipe,a Kauhsen.Ele e três amigos criaram um primeiro bólido,mas depois criaram outro monoposto,este da foto.Patrick Neve o testou.O carro não disputou nenhuma corrida já que tiveram que fazer outro carro.Pilotos:Gianfranco Brancatelli.Pilotos de teste:Patrick Neve e Harald Ertl.Motor:Ford Cosworth.Pneus:Goodyear.

4-HONDA RA108-2008

Só botei este carro por causa desses chifres que ficavam no carro.E a pintura tambem era feia de doer.Pobre Barrichello.Pilotos:Jenson Button e Rubens Barrichello.Pilotos de teste:Alexander Wurz,Takashi Kogure,Anthony Davidson,Mike Conway e Luca Filippi.Motor:Honda.Pneus:Bridgestone.

3-MARCH 721 EIFELLAND-1972

O “Periscópio” ,esse era o apelido do March 721 Eifelland.Justo porque era feinho de doer.Lembrando que a March gostava de fazer um carro feio,contabilizei três.Pilotos:Ronnie Peterson,Henri Pescarolo e Niki Lauda.Motor:Ford Cosworth.Pneus:Goodyear e Firestone.

2-MARCH 711-1971

E a March coloca dois carros do pódio.O carro era em formato oval com uma asa dianteira como se fosse uma asa traseira só que na frente.Quanta esquisitice.Pilotos:Ronnie Peterson,Henri Pescarolo,John Love e Alex Soler-Roig.Motor:Ford Cosworth e Alfa Romeo.Pneus:Goodyear e Firestone.

1-TYRREL P34-1977

Imagem

Em matéria de bizarrice na F1,todos se lembram do Tyrrel de seis rodas.A “coisa” foi feita por Derek Gardner para ver se conseguia alguma melhora.A equipe conseguiu uma vitória com aquele carro.Pilotos:Jody Scheckter,Patrick Depailler e Ronnie Peterson.Motor:Ford Cosworth.Pneus:Goodyear.

EXTRA 0-RED BULL RB3-INGLATERRA 2007

Imagem

Numa boa causa,a RBR fez uma nova campanha.Os torcedores pagavam dez libras esterlinas para ter suas fotos estampadas no carro.Outro detalhe foi que um cara chamado Cláudio Schilling botou uma foto do meu timaço,o Internacional-RS.Não acredita?então veja a foto abaixo.

Imagem

Pilotos:David Coulthard e Mark Webber.Pilotos de teste:Robert Doornbos e Michael Ammermüller.Motor:Renault.Pneus:Bridgestone.

Tuíter

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

Calendário

agosto 2017
D S T Q Q S S
« maio    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 18 outros seguidores